Aulas

Filosofia da mente (docência orientada na graduação)

Abaixo estão as informações referentes às aulas que realizei como requisito de docência orientada na disciplina de Metafísica (2012.2) do prof. Rogério P. Severo. O tópico geral, filosofia da mente, foi dividido em quatro unidades, que foram trabalhadas em três aulas. O cronograma, os textos e os slides estão disponíveis abaixo. Comentários, críticas e sugestões são bem-vindos.

1. Introdução

  • Texto 1: John Heil (2004), “Por que filosofia da mente?” Tradução da introdução de Philosophy of mind: a guide and anthology (Oxford: Oxford University Press).


2. Dualismo

  • Texto 2: René Descartes (1641), Razões que provam a existência de Deus e a distinção que há entre o espírito e o corpo humano. In: Descartes, R. Discurso do método; Meditações; Objeções e respostas; As paixões da alma; Cartas. Os Pensadores, 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983, pp. 169-175.
    Disponível no Scribd.com, embora com outra paginação.
  • Texto 3: Princesa Elisabeth; René Descartes (1643), Correspondências de 1643. In: www.earlymoderntexts.com .
    Em português aqui.
  • Texto 4: Howard Robinson (2011), “Variedades de dualismo”. Tradução da seção 2 de “Dualism” (The Stanford Encyclopedia of Philosophy).
    Em português aqui.


3. Fisicismo reducionista

  • Texto 5: Carl Hempel (1935), “The logical analysis of psycology”. In: Feigl e Sellars (1949), Readings in philosophical analysis (New York: Appleton-Century-Crofts).
    O trecho a ser lido para a aula está em português aqui.
  • Texto 6: U.T. Place (1956), “Is consciousness a brain process?”. In: Lycan (ed.) (1999), Mind and cognition. An anthology, 2nd ed. (Malden: Blackwell).
    Em português em filosofiadamente.org (cópia aqui).


4. Críticas ao reducionismo

  • Texto 7: Donald Davidson (1970), “Mental events”. In: Davidson (2001), Essays on actions and events (Oxford: Clarendon Press).
    Há uma versão em português aqui e outra aqui.
  • Texto 8: Jerry Fodor (1974), “Special sciences (or: The disunity of science as a working hypothesis)”. In: Synthese (28), pp. 97-115. [Não foi trabalhado]
  • Texto 9: Thomas Nagel (1974), “What is It Like to Be a Bat?” In: Philosophical Review (83), pp. 435-50.
    Em português na Crítica.


Links úteis:

__________________________________________________

Filosofia (estágio no Ensino Médio)

As aulas abaixo foram ministradas durante meu estágio, em 2011, na escola Olavo Bilac, de Santa Maria-RS. Críticas, comentários, dúvidas e sugestões serão bem recebidas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s