“Triplo cego” — Atualizando o sistema de revisão por pares

Nesta postagem no blog Daily Nous, os editores de algumas revistas de filosofia bem avaliadas internacionalmente fornecem esclarecimentos sobre seus procedimentos editoriais e de avaliação dos manuscritos recebidos. Uma novidade que merece destaque é a ampla adoção do sistema “triplo cego” de avaliação. Nele não apenas os pareceristas e os autores não têm acesso a suas respectivas identidades, mas também os editores desconhecem a identidade dos autores até que o artigo tenha sido aceito.

Um segundo procedimento que merece destaque é o prazo recomendado para o retorno dos pareceres na Australasian Journal of Philosophy — 1 mês — e a estratégia de enviar e-mails automáticos de lembrete.

Por fim, merece destaque a observação de que, além de pouquíssimos manuscritos serem aceitos, também a maioria dos que são aceitos têm revisões recomendadas ao longo do processo. Isso indica que o processo de revisão por pares exerce um papel efetivo no aprimoramento do que é publicado.

Nesta época de preocupação com a qualidade da produção acadêmica brasileira (um exemplo aqui), é desejável que nossos editores também busquem alternativas para aprimorar a qualidade e o profissionalismo das revistas nacionais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s