Como é um curso de graduação em filosofia?

jonathan-daniels-373306-unsplash

Em breve estarão abertas as inscrições para vagas em cursos superiores de todo o país através do Sisu/Enem. Escolher um curso de graduação nem sempre é fácil, mas ter acesso a informação de qualidade sobre as opções consideradas é algo que pode ajudar na decisão. Esta postagem busca oferecer uma descrição minimamente detalhada e realista de como é um curso de graduação em filosofia de modo a ajudar na decisão daqueles que consideram a possibilidade de dedicar alguns anos de sua vida a essa área do conhecimento. Os links, ao longo do texto, apontam para recursos introdutórios, em forma de texto ou vídeo, sobre os temas descritos.

Conteúdos

Os cursos de graduação em filosofia em universidades brasileiras podem variar um pouco em sua estrutura e ênfase, mas alguns conteúdos são universais. Eis alguns exemplos:

História da filosofia: os conteúdos históricos geralmente são divididos em várias disciplinas que se distribuem, em ordem cronológica, ao longo dos semestres da graduação. Tratam-se de cursos de filosofia antiga (os autores principais são os pré-socráticos, Sócrates, Platão e Aristóteles), filosofia medieval (Santo Agostinho, Tomás de Aquino, John Duns Scotus e Guilherme de Ockham), filosofia moderna (Descartes, Hobbes, Locke, Leibniz, Hume, Kant, Hegel) e filosofia contemporânea (Husserl, Wittgenstein, Heidegger, Frege, Quine, Sartre, Rawls)—a lista não é, obviamente, exaustiva.

Temas: além das disciplinas orientadas por períodos da filosofia, há também uma porção de disciplinas (onde se poderá estudar autores das mais variadas épocas) que se orientam por temas: metafísica (temas como natureza do ser, da realidade, verdade, causalidade), ética (valores, o certo e o errado, a objetividade dos valores, a vida boa), epistemologia (natureza e fontes do conhecimento e os empecilhos para o conhecimento), filosofia política (natureza da justiça, legitimidade dos governos e estados), lógica (argumentos, regras do raciocínio, inferências), estética (natureza da beleza), filosofia da ciência (natureza da ciência e do conhecimento científico, ciência vs. pseudociência). Novamente, não é uma lista exaustiva.

Discplinas relativas à modalidade do curso: há duas modalidade de graduação em filosofia: licenciatura e bacharelado. Em cursos de licenciatura, o formado estará habilitado a dar aulas no ensino médio. Para tanto, terá disciplinas direcionadas especificamente à formação docente (didática, legislação e história da educação, psicologia da educação, estágio). No caso do bacharelado, essas disciplinas estão ausentes e pode haver uma ênfase em aspectos da pesquisa em filosofia (projetos, escrita de artigos, entre outros).

Disciplinas optativas: além das disciplinas obrigatórias, os cursos de filosofia costumam reservar uma parte da formação para disciplinas da escolha dos alunos. Assim, alguém que tiver mais interesse por metafísica ou ética, por exemplo, poderá cursar mais disciplinas nessas áreas, além das obrigatórias. O aluno também poderá optar por estudar uma ou mais línguas estrangeiras e disciplinas relevantes em outros cursos.

Habilidades

Além dos conteúdos, especificamente, um estudante de filosofia também pode esperar adquirir e desenvolver certas habilidades. Uma grande parte dessas habilidades diz respeito ao uso preciso da linguagem: leitura fiel de textos, reconstrução do conteúdo desses textos, escrita precisa, apresentação oral de conteúdos. Um grupo relacionado de habilidades a serem treinadas envolve a argumentação: reconhecimento e reconstrução de argumentos, avaliação crítica de argumentos, detecção de procedimentos argumentativos legítimos e ilegítimos, produção de argumentos e contra-argumentos.

Considero ainda que uma outra habilidade envolvida no estudo da filosofia é a abertura. Por “abertura” me refiro à capacidade de considerar hipóteses e possibilidades que possam ser muito diferentes daquelas que consideramos usualmente: por exemplo, um estudante de filosofia pode precisar pensar sobre se uma pessoa que tivesse se originado de um zigoto planejado por uma divindade superpoderosa para se comportar de maneiras específicas poderia ainda ser livre e responsável por suas ações ou se zumbis são conceitualmente possíveis. Esses e outros experimentos de pensamento podem parecer bizarros, mas frequentemente desempenham um papel relevante no exercício filosófico.

Atuação profissional e empregabilidade

Não há tradição no Brasil de monitorar sistematicamente a empregabilidade dos egressos dos cursos universitários em geral. Com base em minha experiência pessoal (que é obviamente limitada), noto que a maior parte dos egressos de cursos de filosofia atua como professor. Nesse setor, as opções são escolas públicas (municipais, estaduais ou federais) ou privadas. No caso das escolas públicas, a remuneração varia bastante de um estado para outro. Os salários costumam ser mais altos em instituições federais, mas atualmente é difícil ser aprovado em um concurso público sem ter concluído um curso de mestrado e/ou doutorado. Vale também levar em conta que a obrigatoriedade da disciplina está em discussão desde as últimas propostas de reestruturação do ensino médio.

Para quem tem bacharelado ou licenciatura em filosofia, uma opção geralmente atrativa é realizar mestrado e doutorado. Esses cursos aumentam as chances de ser aprovado em concursos para a educação básica e também abrem a possibilidade de atuação no ensino superior, público ou privado. Estudantes que optam por essa carreira podem concorrer a bolsas de estudos, com as quais recebem remuneração mensal durante os cursos de mestrado (dois anos) e doutorado (quatro anos).

Embora não haja carreiras muito bem definidas para formados em filosofia fora do âmbito da docência, vale também notar que algumas pessoas com formação em filosofia atuam ou atuaram em instituições privadas ou junto ao governo.

Conclusão

Acredito que filósofas e filósofos competentes tenham um papel importante a desempenhar na sociedade, na educação e na ciência. Para que possam cumprir esse papel, no entanto, é importante que entrem na profissão com informações adequadas sobre aquilo que irão encontrar, incluindo os desafios. Essa postagem foi uma tentativa de tornar um pouco da informação relevante disponível. Fique à vontade para comentar com questões ou informações complementares. E, se decidir que a filosofia é o seu lugar, bem-vindo(a) e boa sorte!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s