O argumento do zigoto a favor do incompatibilismo

Uma das discussões filosóficas mais tradicionais ao longo da história da filosofia tem como pano de fundo a pergunta seguinte:

Questão da compatibilidade: Se a tese do determinismo é verdadeira, é possível que as pessoas sejam moralmente responsáveis por seus atos?

Outros posts deste blog detalham o que a tese do determinismo diz e o que a responsabilidade moral envolve. Este post apresenta um dos argumentos disponíveis a favor de uma resposta negativa à questão da compatibilidade, a saber, o argumento do zigoto, tal como desenvolvido por Alfred Mele em seu livro Free will and luck (Oxford University Press, 2006).

Há duas maneiras principais de se responder à questão da compatibilidade. A resposta afirmativa diz que é possível que as pessoas sejam moralmente responsáveis mesmo que habitem um universo determinista, isto é, um universo em que a tese do determinismo é verdadeira. Essa resposta afirmativa é comumente chamada de compatibilismo, uma vez que propõe que a existência de seres moralmente responsáveis é compatível com a verdade da tese do determinismo. Uma segunda resposta recorrente é negativa, e é chamada de incompatibilismo. De acordo com o incompatibilismo, não é possível que haja pessoas moralmente responsáveis em universos em que a tese do determinismo é verdadeira.

Como se pode notar, compatibilismo e incompatibilismo são respostas opostas à questão da compatibilidade. Como podemos descobrir qual das respostas é a correta (se alguma o for)?

Uma das maneiras pelas quais filósofos procuram responder a perguntas filosóficas é através da elaboração de argumentos. E uma das maneiras de argumentar, em particular, envolve a reflexão sobre casos—histórias fictícias projetadas para destacar aspectos relevantes da discussão. O Argumento do zigoto, um argumento para o incompatibilismo atualmente em discussão desenvolvido por Mele, opera exatamente dessa maneira. Mele apresenta o caso seguinte como ponto de partida:

“Daiana [um ser supremamente inteligente] cria um zigoto Z em Maria. Ela combina os átomos de Z de uma certa maneira porque quer que um certo evento E ocorra trinta anos depois. A partir de seu conhecimento do estado do universo imediatamente anterior à criação de Z e das leis da natureza de seu universo determinista, ela deduz que um zigoto precisamente com a constituição de Z implantado em Maria se desenvolverá em um agente com uma forma ideal de autocontrole que, em trinta anos, julgará, com base em deliberação racional, que é melhor realizar [a ação] A e que realizará A com base nesse juízo, produzindo assim E. Se esse agente, Erni, tem quaisquer valores inabaláveis [unsheddable] no momento, eles não desempenham qualquer papel na motivação de A. Trinta anos depois, Erni é uma pessoa mentalmente sadia, é idealmente autocontrolado e não tem qualquer atitude relevante compelida ou produzida coercitivamente. Ademais, suas crenças são condutivas à deliberação bem informada e ele é um deliberador confiável.” (Mele 2006, p. 188)

De maneira simplificada, o caso acima descreve uma situação em que um agente, Daiana, cria um zigoto planejado para desenvolver-se em uma pessoa, Erni, que realizará uma certa ação, A. Como Daiana tem superpoderes e o cenário em que as coisas se passam é determinista, Daiana pode ter certeza de que Erni fará o planejado. Mas Erni é, em tudo o que acontece depois de sua implantação em Maria, idêntico a agentes que não fossem planejados como ele por agentes com superpoderes e que se desenvolvessem normalmente em universos deterministas.

Com base neste caso, Mele apresenta o seguinte esboço de um argumento a favor do incompatibilismo—o argumento do zigoto:

“1. Devido à maneira como seu zigoto foi produzido em seu universo determinista, Erni não é um agente livre e não é moralmente responsável por nada.

2. No que diz respeito à ação livre e à responsabilidade moral dos seres nos quais seus zigotos se desenvolvem, não há diferença significativa entre o modo como o zigoto de Erni surge e o modo como qualquer zigoto humano normal surge em um universo determinista.

3. Portanto, o determinismo impede a ação livre e a responsabilidade moral.” (Mele 2006, p. 189)

O argumento envolve basicamente dizer que Erni não é moralmente responsável e que tampouco difere significativamente de qualquer ser humano normal em um universo determinista. Se isso é verdade, então também deve ser verdade que seres humanos em geral em universos deterministas não são moralmente responsáveis—o que é uma resposta incompatibilista à questão da compatibilidade. A primeira premissa, como se pode notar, é baseada no caso fictício de Erni. E a segunda premissa envolve a comparação do percurso da vida de Erni com o percurso da vida de pessoas quaisquer em universos deterministas, isto é, pessoas que não tiveram seus zigotos planejados para um dia realizarem uma certa ação pré-planejada.

Será o argumento do zigoto de Mele correto?

O que é responsabilidade moral?

Ao longo da história da filosofia (incluindo a filosofia produzida atualmente), um tópico recorrente é o da responsabilidade moral. Esse tópico é por vezes investigado juntamente com o tema do livre-arbítrio, com questões sobre a relevância do determinismo para esses assuntos, e também em conexão com os sentimentos e atitudes que manifestamos quando somos gratos ou elogiamos alguém por ter feito algo, ou quando nos ressentimos ou repudiamos o ato de alguém.

Abaixo, traduzo um trecho de um texto escrito por Michael J. Zimmerman que ajuda a explicitar o que exatamente está em questão quando filósofos falam em responsabilidade moral.

É bem sabido que o termo ‘responsável’ tem muitos significados. Precisamos distinguir, primeiramente, entre responsabilidade causal e pessoal.

A responsabilidade causal surge quando um evento ou estado causa outro. Por exemplo, um curto-circuito pode ser responsável por um incêndio, um furacão por uma enchente, e assim por diante. […]

A responsabilidade pessoal, diferentemente, envolve uma pessoa sendo responsável por algo. Essa responsabilidade vem em dois tipos principais: prospectiva e retrospectiva. Ser prospectivamente responsável, ter uma responsabilidade prospectiva, é ter uma obrigação. Sheila, por exemplo, pode ser responsável pela segurança dos nadadores; isto é, pode ser responsabilidade dela garantir que os nadadores estejam e permaneçam seguros. (Também se poderia dizer que Sheila é responsável—uma pessoa responsável—sem dizer que é responsável por qualquer coisa. Tipicamente, isso apenas significaria que ela leva a sério suas várias responsabilidades prospectivas.) […]

[A responsabilidade retrospectiva é] a responsabilidade que se tem por algo que já aconteceu. Dave, por exemplo, pode ser responsável nesse sentido pela morte dos nadadores. A responsabilidade retrospectiva pode ser moral ou não-moral (por exemplo, legal).

Fonte: Zimmerman, M. “Varieties of moral responsibility”, pp. 45-46, em R. Clarke, M. McKenna e A. Smith, The nature of moral responsibility. Oxford University Press, 2015.

Em grande parte das discussões filosóficas sobre responsabilidade moral, o que está em questão é o que acima é chamado de responsabilidade moral retrospectiva. Trata-se da responsabilidade que alguém pode ter por algo que já aconteceu. Mas nem toda responsabilidade retrospectiva é moral. Por exemplo, um criminoso é considerado criminalmente (ou legalmente) responsável por um crime que cometeu. Esse é também um tipo de responsabilidade retrospectiva, mas não se trata de responsabilidade retrospectiva moral.

O que, mais precisamente, a responsabilidade retrospectiva moral envolve? Em linhas bastante gerais, diz-se que um agente é moralmente responsável por algo quando é apropriado responder de certas maneiras ao que ele fez. Por exemplo, se um agente moralmente responsável fez algo bom (por exemplo, ajudou uma pessoa caída a levantar) pode ser apropriado agradecer-lhe ou elogiá-lo por isso. Se um agente moralmente responsável faz algo ruim, por outro lado, pode ser apropriado censurá-lo ou condenar o que fez. Essas reações (gratidão, elogio ou censura) são formas de responsabilizar moralmente o agente. Somos responsáveis, nesse sentido, quando é apropriado que os outros respondam de certas maneiras ao que fizemos. Boa parte da discussão filosófica a esse respeito dedica-se a estabelecer sob quais condições essas respostas são apropriadas, isto é, que condições precisam ser satisfeitas para que um agente seja moralmente responsável.

Perguntas para seguir pensando:

  1. Qual é a diferença entre responsabilidade moral e responsabilidade criminal?
  2. Crianças são moralmente responsáveis? (E criminalmente?)
  3. Pessoas com incapacidade mental severa podem ser moralmente responsáveis? Por quê?

Este texto foi publicado originalmente em fischborn.wordpress.com e pode ser reutilizado livremente para fins não-comerciais. A discussão nos comentário abaixo é bem-vinda.

Pesquisa sobre crenças no livre-arbítrio

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Rui Grande do Sul (UFRGS) está realizando um estudo que busca validar uma escala para medir crenças sobre o livre-arbítrio. O estudo consiste em um questionário anônimo e on-line, composto de duas partes. Se você estiver interessado em contribuir, seguem os links:

Questionário (parte 1)

Questionário (parte 2)

Observação: estou divulgando este estudo por ter interesse no tema e por saber da dificuldade de se alcançar um número suficiente de pessoas dispostas a responder questionários desse tipo. Tenho certeza de que sua colaboração será muito importante!

Doutorado sanduíche nos EUA e próximas postagens

Nos próximos dias, embarcarei para os Estados Unidos para passar 9 meses lá como estudante visitante. Meu destino é o Departamento de Filosofia da Florida State University (FSU), em Tallahassee. Com isso em mente, pensei que uma boa maneira de reativar o fluxo de postagens neste blog poderia ser compartilhando aqui relatos e reflexões sobre esse período. A ideia é trazer mensalmente informações e reflexões relevantes para quem também pretende estudar um período no exterior e refletir sobre a formação e a pesquisa em filosofia, aqui e lá.

O edital CAPES/Fulbright:

Minha bolsa é mantida por duas instituições, a CAPES e a Comissão Fulbright. Ela tem adicionais que não estão disponíveis em outras modalidades e que podem interessar a quem vai concorrer a uma bolsa (o processo de inscrição é um pouco mais complicado também). Até o momento, os pontos positivos mais salientes são o valor da bolsa (maior que bolsas do PDSE, por exemplo), a intermediação da Fulbright Brasil na obtenção do visto americano (que tornou o processo todo muito mais suave do que poderia ser), e uma orientação prévia para todo um grupo de bolsistas que estava prestes a embarcar. Essa orientação serviu para tirar dúvidas, destacar aspectos da cultura (acadêmica e não) americana e das diversas possibilidades que podem ser aproveitadas lá.

Escolhendo o destino:

Minha pesquisa, brevemente descrita, busca avaliar o impacto de resultados empíricos (especialmente em psicologia e neurociência) para discussões sobre a liberdade de escolhas e responsabilidade. Meu contato com a literatura sobre o assunto, e informações adquiridas em vários blogs sobre a rotina acadêmica em filosofia nos Estados Unidos (ex. Daily Nous, Philosophers’ Cocoon,  entre outros), acabaram por me levar a conhecer e escolher o departamento de filosofia da FSU como possível destino. O departamento sedia atualmente um projeto que terá duração de quatro anos sobre a Filosofia e a Ciência do Autocontrole, coordenado pelo professor Alfred Mele. Esse mesmo professor havia previamente coordenado um projeto sobre Grandes Questões sobre o Livre-Arbítrio, no qual filósofos e cientistas também estiveram engajados. Em suma, tratava-se de um lugar onde estavam fazendo o tipo de pesquisa que me interessava fazer, e sobre o mesmo assunto. Além disso, havia uma concentração de profesores do próprio departamento com pesquisa na grande área de filosofia da ação.

Primeiras atividades programadas:

Minhas primeiras atividades acadêmicas no exterior serão a participação em uma conferência online, a 2015 Minds Online Conference, em que tive um trabalho aprovado. Também assistirei uma disciplina sobre ação/agência ministrada por Alfred Mele, que também será meu orientador durante o período no exterior. Na próxima postagem, pretendo detalhar mais o desenrolar da Conferência Online (algo de que nunca participei antes) e outros elementos relevantes que surgirão no primeiro mês. Espero que esta e as demais postagens possam ser úteis, e fico à disposição para oferecer mais detalhes de interesse nos comentários.

Um estudo científico dos sonhos

Uma proposta de estudar-se cientificamente os sonhos, levando em conta as últimas descobertas em nerociências, ciências cognitivas e ferramentas para a análise quantitativa do conteúdo dos sonhos. Essa é a proposta do livro The scientific study of dreams, escrito por William Domhohh. Minha resenha do livro foi publicada no último número da revista Cognitio-Estudos.

Aproveito o post para mencionar também dois outros trabalhos. Um deles já foi mencionado alguns posts abaixo, mas não explicitamente: trata-se de minha tradução para o português de “Ações, razões e causas“, de Donald Davidson, publicado na revista Crítica, a qual, infelizmente, foi encerrada este ano. Este artigo é um clássico na filosofia da ação e fdefende a tese, muito contestada na sua época, de que a explicação de ações por apelo a razões (crenças, desejos, intenções) é um tipo de explicação causal.

O segundo é uma tradução conjunta com Marco Aurélio, e revisada por André Abath, do artigo “Consciência” (original da Stanford encyclopedia of philosophy e escrito por Robert Van Gulick) publicada na revista Investigação Filosófica. Trata-se de um artigo de referência para quem quer informar-se do estado atual da discussão em torno do fenômeno da consciência em filosofia da mente.

“Ações, razões e causas”, de D. Davidson

Essays on actions and events (Clarendon Press, 2001, 2nd ed.) reúne dezessete ensaios publicados por Donald Davidson entre 1963 e 1985. Esses escritos abordam temas de filosofia da ação, da mente, ontologia, entre outros. Nas palavras introdutórias do próprio autor, o tema unificador

é o papel de conceitos causais na descrição e explicação da ação humana. A tese é que a noção ordinária de causa, que entra nas explicações científica e do senso comum de assuntos não-psicológicos, também é essencial para o entendimento do que é agir com uma razão, ter uma certa intenção ao agir, ser um agente, agir contra o próprio melhor juízo, ou agir livremente. A causa é o cimento do universo; o conceito de causa é o que mantém unida a nossa imagem do universo, uma imagem que de outro modo iria desintegrar-se em um díptico do mental e do físico. (p. xv)

Esses artigos foram muito influentes e discutidos. Entre as obras que foram dedicadas à sua discussão, encontramos os livros organizados por Lepore e McLaughlin (1985), por Vermazen e Hintikka (1985), por Heil e Mele (1993) e por Hahn (1999), além de inúmeros outros artigos que continuam discutindo a obra de Davidson. Em sua resenha do livro, Tyler Burge (1983) declara que vários dos ensaios foram extremamente influentes, “particularmente ‘Actions, reasons, and causes’ [Ensaio 1], ‘How is weakness of the will possible?’ [Ensaio 2], “The logical form of action sentences’ [Ensaio 6], ‘Mental events’ [Ensaio 11’” (p. 608), e que “um (‘Actions, reasons, and causes’) mudou a direção de um assunto [subject]” (p. 608).

A seguir, ofereço um comentário ao primeiro artigo da coltânea. As citações foram feitas com base na tradução para o português “Ações, razões e causas”, publicada na revista Crítica. Os números das páginas, no entanto, referem-se ao artigo original em inglês.

Ensaio 1: “Actions, reason, and causes” [Ações, razões e causas] (1963)

A tese principal de “Ações, razões e causas” é que racionalizações (ou a explicação de ações com base em suas razões) são um tipo de explicação causal. Uma razão (ou uma razão primária) consiste no par formado por (a) a atitude favorável de alguém dirigida a ações de um certo tipo (exemplos desse tipo de atitude são querer, desejar, considerar um dever ou uma ação valiosa) e (b) uma crença de que a ação realizada é daquele tipo.
A tese de Davidson pode ser ilustrada mediante um dos seus próprios exemplos. Digamos que eu pressione o interruptor da sala. Uma explicação dessa ação poderia ser:

E1. Pressionei o interruptor porque queria acender a luz e sabia (ou acreditava) que pressionando o interruptor a luz se acenderia.

Segundo a tese de Davidson, a razão primária, mencionada após o ‘porque’ de E1, é a causa da minha ação de pressionar o interruptor, descrita antes de ‘porque’.
Mas há um problema a ser enfrentado aqui. Uma mesma ação pode ser descrita de maneiras diversas, embora a racionalização só aconteça quando a descrição da razão é adequada à descrição da ação. Seguindo o exemplo anterior, imagine que ao pressionar o interruptor eu tenha também alertado um ladrão do fato de que estava em casa. Davidson diz que nesse caso não haveria dois eventos – pressionar o interruptor e alertar o ladrão –, mas apenas um, sob duas descrições diferentes. A razão apresentada em E1, no entanto, não racionaliza o fato de que alertei o ladrão. E2 é uma racionalização incorreta:

E2. Alertei o ladrão porque queria acender a luz e sabia que pressionando o interruptor a luz se acenderia.

Mesmo que o evento de eu pressionar o interruptor tenha sido, segundo Davidson, o mesmo evento de alertar o ladrão, disso não se segue que E1 e E2 sejam ambas verdadeiras. Há um caráter intensional nas racionalizações, ou seja, a substituição de termos com mesma referência não garante a preservação da verdade.
Para evitar esse tipo de problema, Davidson formula uma condição necessária mais refinada para razões primárias:

C1. R é uma razão primária pela qual um agente realizou a ação A sob a descrição d somente se R consiste numa atitude favorável do agente em relação a ações com certa propriedade, e da crença do agente de que A, sob a descrição d, tem tal propriedade. (p. 5)

Com essa qualificação, Davidson coloca em evidência que razões podem tornar racionais certas ações apenas se a ação e a razão são descritas apropriadamente. O restante do artigo representa um argumentação intensa de Davidson contra várias objeções, então vigentes, à tese de que razões são causas, ou que racionalizações são explicações causais.

Objeção 1: justificação exclui causalidade (pp. 8-9)

Quando revelamos a razão pela qual alguém agiu, diz Davidson, “uma ação revela-se coerente com certos traços do agente, de curto ou longo prazo, característicos ou não, e o agente é apresentado no seu papel de Animal Racional” (p. 8). Por isso, há um sentido um tanto fraco em que racionalizações são justificações: “do ponto de vista do agente houve, quando agiu, algo a dizer em favor da ação” (p. 9).
A primeira objeção pode ser construída nas seguintes linhas gerais. Nas explicações causais ordinárias (o vidro quebrou porque foi atingido por uma pedra) não há nenhum caráter justificador envolvido na explicação. Por isso, poderíamos pretender concluir que racionalizações são um tipo diferente de explicação, provavelmente não-causal. Haveria dois tipos de explicações, um por justificação (as racionalizações) e outro causal (demais contextos).
Davidson responde que não precisamos conceber esse caráter justificativo das racionalizações como excluindo a causalidade. Mesmo que admitíssemos que toda razão fosse por si só uma justificação da ação que racionaliza, “não se segue que a explicação não seja também – e necessariamente – causal” (p. 9).
Em uma resposta complementar, Davidson sugere uma diferença entre a justificação e a explicação que uma razão pode fornecer. Para que uma razão explique uma ação é necessário que a ação tenha sido realizada por (causa de) aquela razão (ver p. 9). Mas isso não é necessário para que uma razão justifique uma ação. Se tiro uma criança pequena de perto de um aparelho elétrico, por exemplo, uma razão que justificaria essa ação seria que pensei que a criança poderia machucar-se. Mas talvez essa não tenha sido a razão em virtude da qual realizei tal ação. Eu poderia, por exemplo, ter feito aquilo porque não queria que a criança estragasse o aparelho. A primeira razão poderia servir de justificativa, ainda que não fosse a razão por que a ação foi realizada. Mas, para servir de explicação, a razão tem de ser aquela pela qual eu agi. Portanto, mesmo que toda explicação por racionalização tenha algum grau de justificação, uma justificação não necessariamente é uma explicação.

Objeção 2: redescrição exclui causalidade (pp. 9-11)

Quando explicamos uma ação mediante razões, o que fazemos é redescrevê-la: um movimento com a mão pode ser redescrito, de modo a tornar-se, compreensível como uma ação de pressionar um interruptor para ligar a luz; um outro movimento pode ser descrito como uma certa jogada de xadrez, e assim por diante.
Com base nessa característica das racionalizações, foi elaborada uma objeção inspirada em Wittgenstein contra a tese de que razões possam ser causas. Segundo ela, a causalidade é uma relação entre dois eventos distintos (a causa e o efeito), mas se numa racionalização redescrevemos um único evento, não pode haver aí uma relação causal.
Davidson responde a essa objeção apontando que em explicações causais ordinárias também empregamos a redescrição: “Suponha-se que alguém se machucou. Poderíamos redescrever esse evento ‘em termos de uma causa’ dizendo que se queimou” (p. 10). Nesse caso a redescrição mencionaria a causa (queimar-se) do efeito (machucar-se). Além disso, crenças e desejos (e, portanto, razões) “certamente não são idênticas a ações” (p. 10). Consequentemente, não estamos comprometidos em dizer que há apenas um evento envolvido na redescrição que racionaliza uma ação; e se o tipo de explicação envolvido não é causal, é preciso que os defensores desta tese esclareçam qual seria o tipo de explicação em questão.

Objeção 3: estados não são causas (pp. 12-13)

Segundo essa objeção, “razões primárias consistem em atitudes e crenças, que são estados ou disposições, e não eventos; portanto, não podem ser causas” (p. 12). A resposta de Davidson é que podemos identificar ou até pressupor (quando for desconhecido) um evento precedente. Embora um desejo não seja um evento, por exemplo, o seu surgimento é. Crenças ou desejos podem surgir quando vemos ou notamos algo, e estes são eventos, e mesmo quando não sabemos atualmente qual foi o evento precedente, podemos pressupor que houve um.
No entanto, essas considerações não nos deveriam levar a pensar que as racionalizações são diferentes das explicações causais ordinárias. Por exemplo, também poderíamos explicar a queda de uma ponte dizendo que caiu porque tinha um defeito estrutural. Ainda que um defeito estrutural seja um estado, pressupomos que houve um evento que o causou, mesmo quando este nos é desconhecido.

Objeção 4: dependência lógica exclui relação causal (pp. 13-15)

De acordo com essa objeção, o fato de a razão primária e a ação que ela racionaliza não serem logicamente independentes seria um ponto contra a existência de uma relação causal entre elas. Isso tem conexão com a objeção 2, apresentada acima: como a racionalização oferece uma redescrição, não haveria dois eventos sendo descritos (e isso talvez signifique que há a ação e a razão não são logicamente independentes). Causa e efeito, por outro lado, são coisas diferentes (logicamente independentes), e, por isso, racionalizações não seriam explicações causais.
Parte da resposta de Davidson consiste em defender que “A verdade de uma afirmação causal depende de quais eventos são descritos; [mas] o seu estatuto como analítico ou sintético depende de como os eventos são descritos” (p. 14). Por exemplo, quando afirmamos que o evento A causou o evento B, estamos proferindo uma frase sintética (ou empírica). Mas poderíamos também fazer uma afirmação causal analítica, mantendo uma relação lógica entre as descrições da causa e do efeito, ao afirmar que a causa de B causou B. A relação lógica estabelecida na segunda afirmação não exclui a existência de uma relação causal entre os eventos descritos. Relações lógicas são relações entre frases ou descrições, mas relações causais são relações entre eventos.

Objeção 5: causalidade exige leis (pp. 15-17)

Esta quinta objeção assume uma concepção humeana de causalidade de acordo com a qual a existência de uma relação causal singular implica que existe uma lei causal subjacente. Mas, não temos leis causais que relacionem razões e ações, e, por isso, segue-se que racionalizações não são explicações causais.
Davidson aceita que de fato não há leis causais em sentido estrito formuladas em termos de ações e razões (no Ensaio 11, entre outros, ele defende que sequer é possível esse tipo de leis). Mas isso não nos deveria impedir de considerar a explicação em questão como causal. De fato, isso também não nos impede em outros casos. Por exemplo, podemos estar certos de que uma vidraça foi quebrada por causa de uma pedrada. Mas em geral não temos conhecimento de uma lei causal precisa que diga quais tipos de pedradas, precisamente, irão quebrar quais tipos de vidraças.
Mas Davidson defende ainda que não temos necessariamente de abandonar a posição humeana de que a causalidade está vinculada à existência de leis causais. Podemos interpretar a exigência de leis de uma maneira alternativa. Uma relação causal singular implica a existência de uma lei, mas não é necessário que a lei seja formulada nos mesmos termos em que o relato da relação causal singular foi feita. O exemplo de Davidson em favor disso é o seguinte:

Suponha-se que um furacão, que é noticiado na página cinco do Times de terça-feira, causa uma catástrofe, noticiada na página treze de quarta-feira do Tribune. Então, o evento noticiado na página cinco do Times de terça-feira causou o evento noticiado na página treze do Tribune de quarta-feira. Deveríamos procurar uma lei relacionando eventos destes tipos? (p. 17)

Seria obviamente tolo procurar uma lei causal formulada em termos de quais eventos noticiados em quais jornais causam quais eventos noticiados em quais outros jornais. Seria muito mais plausível buscar uma lei meteorológica, ou mesmo física, ainda que sob essas descrições tais eventos possam não nos ser muito interessantes. Sendo assim, Davidson defende que, apesar de causalidade envolver leis e de não haver leis formuladas em termos de ações, crenças, quereres e razões, disso não se segue que eventos descritos como ações e razões podem instanciar leis formuladas em outros termos – pode haver leis “neurológicas, químicas ou físicas” (p. 17) para os eventos em questão.

Objeção 6: leis causais e tipos de conhecimento (pp. 17-18)

Esta objeção diz que o tipo de conhecimento que se tem das próprias razões apresenta as várias características peculiares ao conhecimento de primeira pessoa. Mas nossa maneira de adquirir conhecimento de relações causais usualmente não seria esse: “uma pessoa conhece infalivelmente as suas intenções ao agir, sem indução ou observação, e nenhuma relação causal comum pode ser conhecida desse modo” (pp. 17-18).
Davidson aceita que em geral não precisamos de observação ou de inferências indutivas para conhecer as razões por que agimos, apesar de contestar que esse conhecimento de primeira pessoa tenha de ser infalível. No entanto, ele responde à objeção dizendo que, do fato de que a observação e a indução sejam uma das maneiras de se adquirir conhecimento de relações causais, não se segue que seja a única maneira. Consequentemente, não se segue que o conhecimento de primeira pessoa não seja também um conhecimento de relações causais.

Objeção 7: causalidade exclui liberdade (pp. 18-19)

A discussão desta objeção encerra o primeiro artigo. Davidson fala de um “certo desconforto que alguns filósofos sentem em falar […] de causas de ações” (p. 18). Segundo eles, se ações fossem causadas, o agente seria uma vítima do que acontece nele e com ele. Davidson pergunta-se:

Por que haveria uma causa de tornar uma ação um mero acontecimento e uma pessoa uma vítima indefesa? Será porque tendemos a supor, ao menos na área da ação, que uma causa requer um causador, a agência um agente? Assim, insistimos na pergunta: se minha ação é causada, o que a causou? Se fui eu, então há o absurdo do regresso ao infinito; se não fui, sou uma vítima. Mas é claro que estas alternativas não são exaustivas. Algumas causas não têm agentes. Entre estas, estão os estados e mudanças de estado nas pessoas; estados e mudanças esses que, porque são tanto razões como causas, constituem certos eventos livres e certas ações intencionais. (p. 19)

É difícil entender o que essa passagem quer dizer. Sem pretender avaliar a sugestão de Davidson, ofereço uma sugestão de leitura.
Qual é o “regresso ao infinito” do qual Davidson fala? Por que um agente seria uma “vítima”? Para ler essa passagem, tento ilustrá-la a partir de um exemplo. Suponha que o agente A gritou. Assim, temos a ação 1:

a1. A gritou.

Levando em conta as suposições acusadas por Davidson, se aceitamos que a1 é causada, perguntaríamos: o que é a causa de a1?
Uma sugestão poderia ser que o agente A causou sua ação a1. Bem, mas assim teríamos já uma segunda ação:

a2. A causou a1.

Aqui, novamente, poderíamos nos perguntar sobre o que causou a ação a2, e chegaríamos a uma ação a3, depois a4, e assim por diante.
Se essa sugestão de um regresso ao infinito não nos agrada, então poderíamos negar que a causa de a1 é o agente A. Nesse caso, poderia também nos desagradar que não é dado nenhum “papel ativo” ao agente A. Se algo que lhe escapa à vontade e ao arbítrio foi a causa dele realizar a1, então ele parece mesmo ser uma “vítima” do que lhe sucedeu.
A alternativa que Davidson propõe parece ser algo como o seguinte: algo conta como uma ação intencional ou livre se for causada por uma razão. Ou seja, A é livre ao realizar a1 se suas crenças e quereres são a causa de a1, independentemente de qual seja a causa dessas crenças e quereres.

Referências
Burge, T. “Book review: Essays on actions and events. Donald Davidson”. Ethics 93, 1983, pp. 608-611.
Davidson, D. Essays on actions and events. Oxford: Clarendon Press, 2001, 2nd ed. [Ver em Amazon.com]
Hahn, L. E. (ed.) The philosophy of Donald Davidson. The library of living philosophers. Chicago: Open Court, 1999.
Heil, J. e Mele, A. (eds.) Mental causation. Oxford: Clarendon Press, 1993. [Ver em Amazon.com]
Lepore, E. e McLaughlin, B. Actions and events: perspectives on the philosophy of Donald Davidson. Oxford: Brackwell, 1985.
Vermazen, B. e Hintikka, M. (eds.) Essays on Davidson: actions and events. Oxford: Oxford University Press, 1985.

Monismo anômalo: as críticas de Jaegwon Kim a Donald Davidson

Abaixo o resumo e o texto utilizado na apresentação do meu trabalho “Monismo anômalo: as críticas de Jaegwon Kim a Donald Davidson”, que apresentei agora há pouco na VIII Semana Acadêmica da Filosofia UFSM.

Resumo: Donald Davidson (1970) defendeu uma concepção sobre a relação entre eventos mentais e eventos físicos que ficou conhecida como monismo anômalo. Essa posição defende a tese de que eventos mentais individuais são idênticos a eventos físicos conjuntamente com a tese de que teorias ou predicados mentais são irredutíveis a teorias ou predicados físicos, seja por definição ou por meio de leis empíricas auxiliares. O objetivo de minha apresentação será discutir algumas críticas que Jaegwon Kim dirigiu ao monismo anômalo, especialmente a sua afirmação de que, no monismo anômalo, “eventos são causas ou efeitos somente enquanto instanciam leis físicas, e isso significa que as propriedades mentais de um evento não fazem nenhuma diferença causal” (Kim, 1989, p. 35).

Handout da apresentação: 
– As duas teses que constituem o monismo anômalo formulado por Davidson (1970):

  • Eventos mentais individuais são idênticos a eventos físicos (tese da identidade ou do monismo – token identity theory);
  • Conceitos ou teorias psicológicas são irredutíveis – quer via definição ou via leis empíricas auxiliares – a conceitos ou teorias físicas (anomalismo ou irredutibilidade do mental).

– As premissas a partir das quais Davidson defende o monismo anômalo:

  1. Princípio da interação causal: (ao menos) alguns eventos mentais interagem causalmente com eventos físicos (ver Davidson 1970: 137);
  2. Caráter nomológico da causalidade: a existência de uma relação causal entre dois eventos implica a existência de uma lei causal estrita (138);
  3. Princípio do anomalismo do mental: não há leis causais estritas explicando ou prevendo eventos mentais (138).

– Como Davidson tenta mostrar que as premissas são consistentes:

“Causalidade e identidade são relações entre eventos, não importa como descritos. Mas leis são linguísticas; e assim os eventos podem instanciar leis, e portanto ser explicados ou previstos sob a luz de leis, apenas enquanto tais eventos são descritos de uma ou outra maneira. O princípio da interação causal trata extensionalmente dos eventos e é, por isso, cego para a dicotomia mental-físico. O princípio do anomalismo do mental concerne a eventos descritos como mentais, pois eventos são mentais apenas enquanto assim descritos. O princípio do caráter nomológico da causalidade deve ser lido com cuidado: ele diz que quando eventos estão relacionados como causa e efeito, eles têm descrições que instanciam uma lei. Ele não diz que todo enunciado singular de causalidade instancia uma lei” (Davidson 1970: 141-2).

– A crítica de Kim (1989):

“O fato é que no monismo anômalo de Davidson a mentalidade [leia-se, as propriedades mentais dos eventos] não desempenha nenhum papel causal. Lembre-se: no monismo anômalo, eventos são causas ou efeitos somente enquanto instanciam leis físicas, e isso significa que as propriedades mentais de um evento não fazem nenhuma diferença causal” (Kim 1989: 35).

– A crítica de Kim (1993):

“[O monismo anômalo é compatível com a afirmação de] que eventos com uma ou outra propriedade mental sejam causas de eventos com uma ou outra propriedade física. A dificuldade que tem sido expressa pelos vários críticos […] é precisamente que a verdade dessa asserção não garante a eficácia causal das propriedades mentais” (Kim 1993: 20, itálicos adicionados).

“Davidson queixa-se que seus críticos tentaram tornar a relação binária da causalidade, ‘c causa e’, em uma relação de múltiplos termos […], possivelmente não extensional, ao empregar aquelas expressões como ‘c qua P causa e qua M’. […] Ele está ansioso por defender a causalidade como uma relação binária extensional, cujos relata são eventos concretos (‘não importa como descritos’). Mas nada disso tem muito a ver com a principal questão em jogo […]. A questão sempre foi a eficácia causal das propriedades dos eventosnão importa como eles, os eventos ou as propriedades, sejam descritos. O que os críticos argumentaram é perfeitamente compatível com a causalidade ser ela mesma uma relação extensional entre dois termos para eventos concretos; a questão deles é que essa relação não é suficiente: precisamos também de uma maneira de falar sobre o papel causal das propriedades, o papel das propriedades dos eventos para gerar, ou fundamentar, essas relações causais de dois termos entre eventos concretos” (20).

– Duas observações finais:

1. A objeção que Kim (1989) parece incorreta, porque o monismo anômalo não diz que eventos causam outros eventos em virtude de instanciarem leis de quaisquer tipos. Parece que Davidson não concede nenhuma relevância metafísica especial para o fato de a descrição de uma relação causal poder ser subsumida ou não do enunciado de uma lei causal. (A propósito disso, leis causais são apenas enunciados gerais que podem subsumir enunciados singulares da forma “c causou e”).

2. As objeções de Kim (1993), por sua vez, parecem reconhecer isso e mostrar o que parece ser a divergência real entre Davidson e seus críticos: ambos têm exigências diferentes sobre o que conta como uma boa teoria da causação mental. Uma teoria da causação mental, vale ressaltar, deve explicar de que modo acontecimentos mentais, como minha intenção de concluir a apresentação deste trabalho, podem causar coisas como os movimentos de várias células e músculos envolvidos na realização da minha ação de ler esta frase final.

Referências:
Davidson, D. 1970, “Mental events”. In: Beakley, B. e Ludlow, P. eds. (1992) The philosophy of mind: classical problems/contemporary issues. Cambridge, Mass.: MIT Press, 137-49.

Kim, J. 1989, “The myth of non-reductive materialism”. In: Proceedings and addresses of the american philosophical association 63, 31-47.

____ 1993, “Can supervenience and ‘non-strict laws’ save anomalous monism?”. In: Heil, J. e Mele, A. (eds., 1993) Mental causation. Oxford: Clarendon Press, 19-26.